TRUMP X BIDEN: Quem será melhor para a chegada de brasileiros nos EUA

O CEO e o advogado sênior da AG respondem as principais perguntas sobre os possíveis cenários para imigrantes do Brasil nos próximos quatro anos.

Está chegando o dia de mais uma eleição americana; E como sempre, as atenções de todo o planeta se voltam para o que irá acontecer nas urnas americanas. A disputa entre democratas e republicanos promete ser acirrada, e seu resultado irá determinar os rumos políticos, econômicos e sociais da maior potência mundial pelos próximos quatro anos.

E o Brasil também está atento a esta eleição. Afinal, 9 a cada 10 brasileiros que decidem começar uma nova vida no exterior escolhem os Estados Unidos como destino para morar, estudar, trabalhar ou simplesmente fazer negócios. Temas como o futuro das leis de imigração americanas e como ficará o mercado de trabalho dos EUA interessam diretamente aos brasileiros que desejam prosperar na América.

O Dr. Felipe Alexandre (advogado sênior de imigração e fundador da AG Immigration) e Rodrigo Costa (consultor de negócios e investimentos nos EUA e CEO da AG Immigration) se reuniram para responder as principais perguntas que tem surgido sobre o assunto e apontar os prováveis cenários para os imigrantes na América dependendo de quem for o vencedor da eleição. Confira!

 

AG: Existe hoje um temor muito grande em relação ao futuro dos imigrantes nos Estados Unidos caso o presidente Trump seja reeleito. Como vocês enxergam isso?

Felipe AlexandreNão há motivo para temer. Em primeiro lugar é preciso lembrar que os Estados Unidos são uma nação construída por imigrantes e que ate hoje dependem da mão-de-obra estrangeira e de investimentos do exterior. E isso não vai mudar independente de quem vencer as eleições. 

Rodrigo Costa: O brasileiro que deseja fazer tudo dentro da lei para viajar para os Estados Unidos, seja para visitar, estudar ou trabalhar, não terá problemas caso Trump seja reeleito, e nem caso Joe Biden vença a eleição. Em qualquer um dos cenários a tendência é que os Estados Unidos continuem buscando o talento dos profissionais brasileiros, especialmente daqueles mais qualificados por suas carreira ou formação acadêmica.

 

AG: Os governos dos Estados Unidos e do Brasil se aproximaram bastante nos últimos quatro anos Caso Trump não seja reeleito, como vai ficar a relação comercial, política e diplomática entre os dois países? 

Rodrigo Costa – CEO da AG Immigration

Rodrigo CostaBrasil e Estados Unidos possuem uma longa história de amizade e cooperação e eu não creio que isso vá mudar de acordo com o candidato vencedor. É claro que, em um primeiro momento, pode haver discordâncias e atritos dependendo quem vencer, principalmente em questões diplomáticas, mas em questões comerciais não creio que fará tanta diferença. Os 2 países possuem acordos e tratados comerciais que estão em vigência e que são importantíssimos tanto para o Brasil quanto para os EUA. 

 

AG: Se for eleito novamente, Trump pode restringir ainda mais ou ate mesmo acabar com determinados tipos de vistos para os Estados Unidos?

Rodrigo Costa:  Existem visões bem distintas dos dois candidatos para a questão da chegada de novos imigrantes nos EUA; mas eu queria chamar a atenção não para as diferenças, e sim para as semelhanças. Tanto democratas quanto republicanos concordam que os Estados Unidos precisam de estrangeiros qualificados para contribuir com a economia e mercado de trabalho do país.  Tanto Trump quanto Biden incluíram em suas propostas de eleição desejo de solicitar ao congresso americano um aumento na cota de green cards para estrangeiros emitidos com base em emprego ou carreira profissional.

Felipe AlexandreSe formos levar em conta tudo o que aconteceu nos últimos 4 anos, tudo indica que podemos sim ter novas restrições em relação a determinados tipos de vistos de imigração e green card caso Trump seja reeleito.  Mesmo assim, é importante salientar que durante estes mesmos 4 anos nunca houve tantas aprovações de green card para estrangeiros qualificados com base em emprego ou em suas carreiras, e isso deve continuar acontecendo nos próximos anos, porque os Estados Unidos continuarão precisando de imigrantes qualificados

 

AG: Este desejo tanto do Trump quanto do Biden de aumentar o número de green cards para estrangeiros qualificados pode beneficiar de alguma forma os profissionais brasileiros que querem se mudar para os EUA?

Felipe Alexandre – Advogado sênior da AG Immigration

Felipe AlexandreSem dúvida. No Brasil temos profissionais cada vez mais bem qualificados por suas carreiras, especialmente nas últimas 2 décadas. E isso se deve a vários fatores, como a globalização e a internet, que diminuíram as fronteiras entre os países. Estes profissionais serão cada vez mais desejado nos Estados Unidos

Rodrigo Costa: Existem grandes oportunidades na América para quase todas as profissões que exigem conhecimento técnico e experiência, especialmente nas áreas profissionais onde hoje existe um déficit muito grande na América, como médicos, enfermeiros, dentistas, profissionais de TI, Engenheiros, empresários, e muitas outras profissões

 

AG: O resultado das eleições vai determinar a reabertura das fronteiras entre Brasil e e Estados Unidos? Você tem alguma previsão de quando isso vai acontecer

Felipe AlexandreInfelizmente ainda não há previsão de quando as fronteiras entre os 2 países voltem a estar aberta, mas isso se deve somente a pandemia do coronavírus. Então não é uma medida política, e sim de saúde. Logo não está relacionada com o resultado da eleição.

 

AG: A pandemia de Covid-19 causou um desemprego muito grande nos Estados Unidos, mas agora parece que o país já retomou o crescimento. Esse é um bom momento pra imigrar ou fazer negócios na América? Já tem emprego pra quem vem de fora?

Rodrigo CostaCom certeza é um excelente momento. Os EUA estão em um momento de franca recuperação da crise causada pela pandemia, com um crescimento econômico de 33% no último trimestre, muito acima do que era previsto pelos especialistas. E esse processo de reaquecimento da economia só tende a crescer nos próximos anos.

 

 

AG: Então podemos afirmar que aquela onda de desemprego e princípio de recessão que ameaçou os Estados Unidos no meio do ano já foi embora?

Rodrigo CostaCertamente. É importante lembrar que antes do vírus a taxa de desemprego nos EUA era de apenas 3%, melhor marca dos últimos 50 anos na América. Aí veio a epidemia, e o desemprego chegou a bater 21%, em áreas mais rurais do país. Porem agora, com dados que foram divulgados no fim de outubro, o desemprego voltou a cair, e já está em torno de 7% a 7,5%. E vai baixar mais ainda.

Felipe AlexandreEnquanto isso, infelizmente, o Brasil acaba de registrar sua pior taxa de desemprego da história: 14,4%. Isso só mostra o quanto os dois países estão distantes em termos de economia, e o quanto é vantajoso para o brasileiro buscar uma via imigratória legal para trabalhar nos Estados Unidos. 

 AG: Mas e a alta do dólar? Deve ter muita gente querendo imigrar e trabalhar nos Estados Unidos, mas está esperando o dólar baixar. Qual seu conselho para essas pessoas?

Rodrigo CostaO conselho é não esperar mais. Quando o dólar estava a R$3,90, no ano passado, muita gente estava esperando baixar, e com isso adiaram seus planos de investimento e de imigração para os EUA.  Essas pessoas devem estar bem arrependidas agora que o dólar está a R$5,60.  

Felipe AlexandreAlém do mais, a pessoa que de fato quer vir para os EUA para empreender precisa encarar as despesas de sua mudança para a América como um investimento profissional e pessoal, e não como custo. Também tem o fato de que apesar do dólar estar muito alto, se a pessoa traz seus negócios para cá ela também vai ganhar em dólar. O ganho é imediato.

 

Quando vocês falam em imigrante qualificado, o que seria exatamente? Qual o perfil que uma pessoa precisa ter pra solicitar um green card e morar aqui nos Estados Unidos?

Felipe Alexandre:  Falando de maneira ampla e genérica, um imigrante qualificado por sua carreira ou emprego é aquele que possui uma trajetória profissional de sucesso em sua área de atividade e, em muitos casos, alguém com uma formação acadêmica superior, no mínimo um bacharelado. E muitas vezes sem nem mesmo precisar de uma oferta de trabalho nos EUA. Pessoas com este perfil possuem grandes chances de obterem um green card para se tornarem residentes nos EUA.  

 

AG: E pra quem é empresário ou quer empreender nos EUA, o resultado da eleição pode impactar de alguma forma? Quais as principais diferenças que vocês enxergam entre montar ou gerenciar um negócio no Brasil e nos Estados Unidos? 

Felipe Alexandre:  Os EUA estão em um momento de franca recuperação econômica, mesmo com a crise de covid-19, e isso irá continuar acontecendo nos próximos anos com qualquer um dos dois governantes. Então o empresário brasileiro irá encontrar muitas oportunidades aqui na América.

Rodrigo CostaNo Brasil o empresário é muito maltratado. Tem que pagar a maior carga tributária do mundo para o governo, e praticamente sem ter nada em troca. As leis trabalhistas do Brasil também atrapalham porque são muito protecionistas. Além disso, não da pra planejar nada a longo prazo no Brasil, porque o empresário sempre estará sujeito a crises econômicas ou políticas. Nos EUA é bem mais rápido e simples abrir um negócio, e a pessoa irá gerar receita em dólar. É muito melhor empreender nos EUA

 

AG: Mas afinal, qual dos dois candidatos será melhor para o futuro dos imigrantes e do mercado de trabalho para estrangeiros nos EUA?

Felipe Alexandre: Não existe uma resposta simples para essa pergunta. Como advogado de imigração há muitos anos estou acostumado com o fato de que em todos os governos americanos existem medidas positivas e negativas para os imigrantes, porque a imigração é um tema muito sensível nos EUA.  O importante é saber que vivemos em uma democracia. Os governos se alternam, as leis mudam, mas o objetivo é sempre o mesmo: Criar um Sistema imigratório o mais justo possível para benefício dos Estados Unidos e de sua população de imigrantes.

Rodrigo Costa: Em qualquer cenário que você puder imaginar para essa eleição, as previsões são positivas para quem deseja trabalhar legalmente nos EUA. Nenhum outro país oferece as oportunidades para se desenvolver tanto como pessoa quanto como profissional como aqui. Quem deseja ampliar seus horizontes para a América irá encontrar um país que oferece estabilidade econômica, moeda forte, segurança para seus negócios e para a família e a oportunidade de fazer parte da maior potência comercial do mundo.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

AG na mídia

AG na mídia

Escritório de Imigração nos EUA vem se consolidando como referência para a imprensa brasileira A AG Immigration é um dos mais conceituados escritórios de imigração dos Estados Unidos, e vem se consolidando cada vez mais como referência em conhecimento e credibilidade...

Top 10 Mitos e Verdades sobre vistos e green card para os EUA

Top 10 Mitos e Verdades sobre vistos e green card para os EUA

Os Estados Unidos são o destino favorito dos brasileiros. Seja para morar, trabalhar, estudar ou simplesmente visitar, a América exerce um fascínio muito grande no imaginário popular. Existem, porém, muitos rumores quando se trata do processo de solicitação dos vistos...

Conheça o visto B1/B2 para turismo e/ou negócios nos EUA

Conheça o visto B1/B2 para turismo e/ou negócios nos EUA

O visto B1/B2 é o mais conhecido e solicitado visto americano. Sua nomenclatura engloba dois tipos de vistos que por muitos anos foram emitidos separadamente: o B1(negócios) e o B2(turismo). Trata-se, portanto, de um visto para viajar temporariamente aos EUA, tanto...