Os Estados Unidos criaram 467 mil postos de trabalho em janeiro deste ano, divulgou nesta sexta-feira (4) o Departamento de Trabalho do país. De acordo com o órgão, os setores que mais registraram crescimento foram os de lazer e hospitalidade, serviços empresariais e profissionais, comércio varejista e transporte e armazenagem.

Apesar da alta na geração de empregos, o número ficou abaixo do que o registrado em janeiro de 2021 e essa é a terceira queda mensal seguida do indicador desde outubro do ano passado. No entanto, especialistas avaliam o resultado como positivo, em razão do momento que os EUA viveram no primeiro mês do ano, com a propagação da variante Ômicron da Covid-19 em pleno inverno no hemisfério norte.

“É um resultado expressivo, que mostra a resiliência da economia americana e sua capacidade de se recuperar rapidamente. No entanto, cada vez mais, fica claro que o mercado de trabalho está saturando, e mais do que nunca os Estados Unidos precisarão recorrer à mão de obra estrangeira para atender à crescente demanda por bens e serviços”, explica o especialista em mercado de trabalho americano, Rodrigo Costa.

Baixo desemprego nos EUA

O relatório publicado pelo governo também mostrou que a taxa de desemprego se manteve praticamente estável, subindo de 3,9% para 4% na variação mensal. Com isso, são atualmente 6,5 milhões de pessoas que não encontram trabalho nos Estados Unidos. “Ao longo do ano, a taxa de desemprego baixou 2,4 pontos percentuais e o número de desempregados diminuiu 3,7 milhões. Em fevereiro de 2020, antes da pandemia do coronavírus, a taxa de desemprego era de 3,5%, e o número de desempregados, 5,7 milhões”, detalhou o órgão em comunicado publicado em seu site.

Ainda que a economia esteja mostrando bons resultados e tenha fechado 2021 com um crescimento no PIB de 5,7%, de acordo com os dados preliminares do Departamento de Análises Econômicas, Costa salienta que, em dezembro, foi registrada uma queda nos níveis de consumo: -0,6%.

A retração nos gastos dos consumidores foi generalizada em praticamente todos os ramos, mas liderada pelos segmentos de mercadorias recreativas e de veículos, além de “outros bens não duráveis”, ramo que inclui jornais, material doméstico e jogos e brinquedos. Mobiliário e equipamentos domésticos duráveis também tiveram quedas.

No setor de serviços, porém, houve aumento dos gastos, principalmente com cuidados com a saúde. “O setor de saúde está em franca expansão nos Estados Unidos. Vemos hospitais e clínicas, consultórios sofrendo com a escassez de profissionais especializados na área de medicina, enfermagem, odontologia e fisioterapia, em razão da alta demanda e também por essas serem profissões bastante afetadas pela pandemia”, afirma Costa, que também é CEO da AG Immigration, escritório de advocacia especializado em imigração.

Tem vontade de trabalhar e morar nos Estados Unidos? A AG Immigration pode te ajudar! Entre em contato conosco, preenchendo nosso formulário de contanto. Nossa equipe fará uma avaliação gratuita do seu perfil, buscando as melhores possibilidade para você imigrar para os EUA.