Dados divulgados na última sexta-feira (7) pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos mostram que o país criou menos vagas de emprego em dezembro do que no mês anterior. De acordo com o órgão, foram 199 mil postos de trabalho no último mês do ano contra 249 mil em novembro – uma queda de 20,8%.

De acordo com o CEO da AG Immigration, Rodrigo Costa, os números reforçam o cenário desafiador para a contratação de mão de obra nos Estados Unidos. “As empresas estão com muita dificuldade em contratar profissionais para diversas posições, como motoristas de caminhões, vendedores de lojas, operadores de máquinas e atendentes de redes de fast food. Até mesmo profissões que exigem qualificação mais elevada, como médicos, dentistas e pilotos de avião estão em falta”, afirma.

Outros números comprovam essa preocupação: em dezembro, a taxa de desemprego do país ficou em baixíssimos 3,9% – o menor patamar desde o início da pandemia. Ainda assim, curiosamente, dados do Departamento de Trabalho mostram que existem 10,6 milhões de vagas não preenchidas nos Estados Unidos. Com o desemprego lá embaixo, a disputa por talentos fica muito competitiva, e o profissionais acabam tendo mais poder de barganhar e, consequentemente, mais opções de escolha.

Não há toa, em novembro de 2021, um recorde de 4,5 milhões de americanos pediram demissão de seus trabalhos, reforçando a análise de que o mercado está aquecido.

“É por isso que o presidente Joe Biden tem se esforçado tanto para aprovar seu pacote de novas leis imigratórias, buscando legalizar milhões de trabalhadores que hoje se encontram indocumentados no país e, ao mesmo tempo, retirando obstáculos para a entrada de novos imigrantes de maneira legal nos Estados Unidos”, diz o CEO da AG Immigration.

Em 2020, pessoas nascidas fora dos EUA respondiam por 17% do total da força de trabalho do país, sendo as populações latinas responsáveis por quase metade desse contingente e os asiáticos, por um quarto. Os dados são do Departamento de Trabalho.

Caso Biden consiga colocar em prática todos os seus planos para a área da imigração, a expectativa é de que o percentual dos trabalhadores estrangeiros aumente, uma vez que a participação deles já havia registrado queda em relação a 2019, quando era de 17,4%.

Vale lembrar, no entanto, que em meados de dezembro Biden sofreu um importante revés político quando a Parlamentar do Senado, Elizabeth MacDonough – autoridade não eleita responsável por aconselhar os senadores quanto à interpretação do regimento interno e decidir sobre eventuais conflitos procedimentais – rejeitou, pela terceira vez, a tentativa dos congressistas democratas de incluir a reforma imigratória prometida por Biden em um projeto de lei orçamentário. A medida faria com que a reforma fosse aprovada mais facilmente do que por uma tramitação normal de um projeto de lei.